quinta-feira, novembro 23, 2006

Natal é quando um macaco quiser...




O que é que ela anda a fazer??? Era dar-lhe com um gato semi-morto na cara e depois o gato ainda a dar as últimas arranhar-lhe aquele focinho de santa. Coitado do gato...
Agora que já desabafei sobre a Macaca que anda de galho em galho a foder quem ensina os macaquinhos, quero expressar o meu sentimento natalício relativo ao espírito geral dos macacos da Saraulândia. Uma boa acção acontece quando o actor age sobre um outro semelhante e lhe provoca satisfação, certo? Se essa acção acontece, faz-se Natal... mas o Rei Macaco que tudo pode, que em tudo o que interage é o melhor, deveria ser considerado Natal sempre que ele (Rei Macaco) quisesse. Só que há um aspecto essencial nesta interacção: os símios interlocutores são muitas vezes enganados, ludibriados pela capacidade do Rei Macaco afirmar situações em que agiu, age ou agirá de uma forma animalesca e irracional. Pois... No fundo o Rei Macaco é um animal irracional e como disse alguém o "Rei vai nu..."
Não digamos que fazemos algo quando não somos capazes e "bisseversse". Já dizia o Tónio Sousa e é bem verdade e mais ele tinha fumado uns "xarutos". ahahahah

domingo, outubro 22, 2006

beauty products
beauty products Counter

Nunca pior


Cum caneco!! Bichinhos irrequietos que eles são. Sofrem de "simiose". Eu não sei de nada, mas ouvi dizer que é uma doença que ataca os macacos que querem mas não podem. Há pois é, estas coisas constam-se. O calo é lixado. Muito trabalham aquelas mãozinhas...de volta dos matrecos, entenda-se. O Sr. Vitor acertou em cheio. Matrecos para toda a gente a noite toda. 100%

Estou que nem posso, ansiosa pelo jogo do fim-de-semana. E para não ferir susceptibilidades alheias, não me vou manifestar. Mas que tenho vontade lá isso tenho....eheheheh

sábado, outubro 21, 2006

As maravilhas de sexta à noite


Isso sim é que é falar!! Futebol à parte (sim...porque na próxima semana quem vai cantar sou eu), ontem a macacolándia deu os seus frutos. Já ouvimos aqui falar de uma ausência digna de King Kong. E não é que eu não senti falta nenhuma!!! Mas há história. Vejamos: para não fugir ao habitual, os grunhidos que se ouviram na "selva saurástica" (ah pois...uso aspas porque esta tem direitos de autor) eram de uma intensidade que me fizeram nauseas. Era pegar naquele cogumelo branco e enfiar pelas Xs acima. Alguém é capaz de me explicar de onde surgiram aquelas criaturazinhas que vestem roupa muito à frente e que de tão à frente que é só dá vontade é de olhar para trás?!!
No entretanto o jogo continuou. Pois claro, porque foi a brincar e a jogar que o macaco pimba na mãe. A mim, abandonada pelos meus parceiros (um só quis foi bolas, o outro pôs-se a andar dali para fora) só me restou microfone. E que bem que eu canto...óó

Caralhoque dois...

Tinha aquilo que as pessoas chamam de vozeirão. Grave, por vezes aveludada, a voz do Macaco encaixava-se perfeitamente com a estatura imponente, a vasta cabeleira começando a ficar grisalha e o sorriso sedutor que ele… gostaria de ter. De genes pouco privilegiados, todo o corpo de Macaco era um imenso Calcanhar de Aquiles, excepto as suas cordas vocais. Os mesmos romances que começaram com ligações por engano para a sua casa, terminavam quando a moça encontrava-se com ele pessoalmente. Era horror à primeira vista. A única que não se decepcionou de cara fora Suzana, que como o amor, era cega. Mas bastou tateá-lo pra fugir em disparada. E ser atropelada, claro. Como todos os que tem um vozeirão, Macaco gostava de cantar, e sempre que podia, o fazia em público: nos karaokês de festa de fim de ano, nas festas de casamento. E, também, como todos os barítonos e tenores amadores, tinha preferência pelo repertório do Legião. Não era à toa que enfatizava o “quero colo” de “Pais & Filhos”. Mas as garotas permaneciam indiferentes aos seus apelos. Isso quando não fugiam em disparada, como a cegueta azarada.
Mas com o tempo, depois de sofrer desilusão atrás de desilusão, Macaco começou a beber e fumar em quantidades industriais. Sua voz, ou melhor, seu vozeirão, foi junto com as centenas de mulheres que corriam em desabalada carreira ao ver aquele ser, semelhante a um boi de rolete, pessoalmente. De cantor de karaokê, Macaco tornou-se um Lemmy, aquele dos Motorhead, de karaokê. Assim, um dos poucos talentos que Macaco tinha foi para o saco. Até que um dia, depois de caprichar no “quero colo”, já com a voz completamente estragada, e sobrar pouco mais do que dois montes de feno na platéia do karaokê, Macaco a viu. Parada, com os olhos brilhando na direção do cantor, havia estava Macaca, uma garota que realmente parecia um montinho de feno, exceto pela falta de cabelos. Macaca, cantora amadora de karaokê, tinha um talento tão grande para o canto quanto Lemmy Macaco. E ignorava o facto tão completamente quanto... Lemmy Macaco. Foi amor à primeira vista. Ou ouvida, como preferirem. Macaco desceu para conversar com Macaca e, dizem, nunca mais voltou a subir em um palco sozinho. Dali para a frente, ele somente encarava os microfones com a Macaca a tiracolo. As poucas testemunhas desses eventos descreveram a cena como “algo muito semelhante ao Inferno de Dante, mas com caixas acústicas nas paredes, tocando Jane e Erondi incessantemente.” O facto é que o casamento deu certo. Hoje, casados e com vários e vários macaquinhos, dizem que o sonho do casal é que os pimpolhos façam um estágio no Coro dos Meninos de Viena, lá de Viena mesmo. Aos quatro ventos, o casal costuma dizer que “Vocação para o canto é de família.” Na sequência, entoam alguma antiga canção do Coro de Meninos, mas ninguém fica por perto para ver como termina.

Mais um caralhoque...


Macacos me mordam se o caralhoque numa selva não é mais engraçado. Oxigénio com força, animais passeando-se ao som da maravilhosa música vanguardista cantada com sentimento por vários símios presentes. E eu sempre fora da moda, observo com dificuldade, devido ao som que bate nas árvores e aumenta os decibéis, o desempenho de certos macacos e penso... mas que caralho de caralhoque que descobre cada macaco cantador que nem a SIC consegue. Também a SIC ao entrar nesta floresta Saurástica poderia ter algums contratempos com certos indivíduos que se passam da cabeça. Enfim... Valha-nos o S. Pedro e a chuva que vai caindo no pêlo de alguns. O macaco cantadeiro por excelência não apareceu por isso peço imensas desculpas pela parte que me toca.. haahahahahha ...que sorte.....

terça-feira, outubro 17, 2006

Quinze a zero

Hoje fui ao Dragão. Fui salvo seja, apareci e observei montes de macacos fardados observando a atitude dos simioespectadores. Claro que para lá ir coloquei de parte o prazer de estar na floresta saráustica (do tempo dos dinomeiras) e levar com jogadas magníficas de "sobe e desssse", fintas do arco da velha nos matrassímios e para não falar do super torneiro de Pool, que fica sempre bem.
Mas como é evidente houve uma certa nostalgia ao ver os macacos fardados a apanhar com gotículas de chuva e lembrar-me do Rei da Selva Saráustica.... Querida Sininho, a minha ausência será culmatada com arte e engenho de fazer sorrir e chorar por mais na terrra que me viu nassser. Saravajio....

Jogatainas



Ora ia eu indo andando pelos caminhos da A7 (que é como quem diz rumo a Guimarães) quando oiço, ou melhor, escuto aquele anúncio da concorrência, que é como quem diz, do BES. O Senhor do anúncio fala de um tal de Rei dos Matrecos. Pois então, fez me logo lembrar dos matraquilhos e do Rei que não vai nú, mas quase. Rei não: um aspirantezinho a bobo da corte (deve-se ler - córte). Rei faz lembrar leão e leão faz lembrar selva, que por sua vez faz lembrar:....... MACACO. Pois eu lembrei-me logo do Macaco dos matrecos. Hihihihi....E quem fala de matrecos também pode falar de cartas: e não é que todos juntos a jogar são mais que as mães??!!! Ó meu caro amigo Brope, por falar em mães: já não era tempo do pai lá ir?? :)

sábado, outubro 14, 2006

Ora vamos lá dizer de nossa justiça: a selva ontem estava ao RUBRO. Só lhes faltavam tocar no sino com a tromba.... Eheheh cuidado com os trocadilhos. Eu já os vi a fazer muita coisa, coisas essas que implicam quase sempre as mãos. mas agora CANTAR????????? Óóó
Quem não vai nada em cantigas são as outras criaturas +/- parentes dos símios. Eu nunca vi animal tão sério!!! Mas que têm grandes qualidades ai isso têm. São poderes especiais. Um deles é ter o dom de pôr as outras pessoas (esta foi forte) indispostas. Agora, há quem deixe este cenário tão cómico para ir para a sua toca dormir. Por amor de Deus, ou Jeová, ou Alá, ou de outra força qualquer: dormir num noite de musicol a uma sexta feira à noite?????? AH MACACO!!!!!!!!!!!!

sexta-feira, outubro 13, 2006

Joguem

Miniclip Games - Monster TruckMonster Truck

Crush cars and perform incredible stunts in this monster truck thriller.

Play this free game now!!

quarta-feira, outubro 11, 2006

Desaparecido em combate


Há momentos em que a calma aparece no meio dos Símios pois catar piolhos cansa. As mãos que eram rápidas, extrovertidas, vorazes até, começam a doer, e alguns macacos têm que descansar.
Desaparecem temporariamente para recuperarem de longas horas de trabalho.....

domingo, outubro 08, 2006

Grande fumaça



Mais um infeliz exemplo de comportamentos anti-natura, daqui a nada quer andar de mão dada com um exemplar de outra espécie... com franqueza...

Ele está em toda a parte...

Os símios são animais que nos devem fazer pensar naquilo que já fomos e o quanto evoluimos. Mas há um que está aonde menos esperamos. As suas patas (mãos porque não?) passam ao de leve por locais, que não são pertences do seu habitat natural.
Cuidado pois ele quer ser o novo REI da selva a todo o custo...
Ah macaquico...

sábado, outubro 07, 2006

No início era tudo uma bola de fogo. Pum Big Bang. Depois surgiram uns "macaquicos" por aí.
E só depois, segundo rezam as lendas, surgiram os Dinomeiras.

À descoberta do Universo....

Esta é a minha primeira posta!! Estou tão feliz! Faz me lembrar o 1º dia de escola....